30 dezembro 2011

IMAGINÁRIO POPULAR DO EVANGÉLICO BRASILEIRO

Que imaginação tem o evangélico brasileiro, pra nós brasileiros uma igreja abençoada por Deus é uma igreja cheia. De preferência, lotada. Com montes de departamentos, atividades, grupos disso e daquilo, ministérios e cheias de bons dizimistas. Quem entra nesses hipermercados da fé acha que ali é a sucursal do Céu, pois tudo é grande, os projetos são ousados, o lance é arrebentar o inferno, mergulhar no oceano do Espírito, ter um grupo de louvor (ou mais de um) com CD gravado, um coral de 300 vozes (por que não 500?), grupo de dança, teatro, evangelismo e vamos que vamos! Tenho certeza, Deus não está nem aí para esse tipo de igreja. E explico por quê. O Senhor não suporta arrogância e orgulho. A Bíblia diz que "Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes" (Tg 4.6; 1 Pe 5.5). E que "Os arrogantes não são aceitos na tua presença" (Sl 5.5); "O Senhor preserva os fiéis, mas aos arrogantes dá o que merecem" (Sl 31.26); "Embora esteja nas alturas, o Senhor olha para os humildes, e de longe reconhece os arrogantes" (Sl 138.6).
A Bíblia deixa claro que humildade é uma das características que o Criador mais preza nas suas criaturas. Pois demonstra que elas sabem quem são diante da grandeza do Rei e que têm compreensão de sua natureza: pó. Ocorre que, se você observar com muita atenção, na grande maioria das vezes, líderes e outras pessoas ligadas aos diferentes ministérios dessas megamáquinas da fé são pessoas extremamente arrogantes. Acham-se especiais - afinal, Deus as “abençoou" com tamanho, com quantidade. Já tive a oportunidade de observar às vezes simples líderes de juventude de megaigrejas se comportarem como os manda-chuvas do pedaço, exigindo tratamento diferenciado, destratando pessoas. Arrogância pura. Causada por o quê? Pelo pensamento equivocado de que "se Deus me pôs à frente de um trabalho tão grandioso, com tantas pessoas sob meu comando, eu devo ser algo especial". Ao que a Bíblia responde: "O orgulho vem antes da destruição; o espírito altivo, antes da queda" (Pv 16.18).
Quem conhece os bastidores desses Taj Mahals da fé sabe ainda que muitas vezes há pecados relacionados a dinheiro nas coxias dessas megaestruturas. Em impérios eclesiásticos, os olhos crescem. A concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida inundam corações outrora puros. Que me perdoem os Mike Murdocks e os Morris Cerullo da vida, mas ter muito dinheiro à mão, acredite, é uma desgraça para o cristão. Pois ele perde o senso de dependência de Deus, torna-se abusador, gasta mais do que precisa, esbanja. O cofre da igreja torna-se acessível a qualquer momento e como "o líder merece, afinal rala tanto por aquela igreja", sente-se à vontade para sacar, alem de seu justo salário, quanto e quando quiser daquela conta corrente descontrolada. E sem meias-palavras? Isso é pecado. É pecado, pois esse dinheiro não pertence ao líder, mas a Deus. E deve ser investido nas coisas de Deus e não em benefícios para o líder e sua vida pessoal. Entenda isso: o líder de uma igreja é servo. E um servo não é dono da casa de seu senhor. Muito menos do dinheiro dele. Os que lançam mão daquilo que não é seu... Bem, precisa dizer o nome que se dá a isso? Essas megaigrejas se tornam fábricas de ex-bons cristãos: homens e mulheres de Deus que começaram suas caminhadas de fé de joelhos e na simplicidade, mas que acabam se corrompendo. Se formos pensar apenas nessas igrejas que se destacam porque fazem música que ganha fama, lançam CDs e DVDs e vão a programas de auditório na TV, veremos pequenos servos de Deus que viraram artistas profissionais gospels movidos a cachê, a glamour, que passaram a amar dar autógrafos. Alisam ou arrepiam os cabelos, usam roupas moderninhas e "ministram" com uma estética que me lembra Elvis Presley Aliás, voltando um pouco atrás... Que piada: cristãos que amam dar autógrafos. Tive que rir desse pensamento.
Mas o pior mesmo são os pastores que se perdem pelo meio do caminho. Pregadores que antes eram devotados a Cristo, homens de joelhos calejados e olhos marejados, homens de Deus humildes e simples que se tornam vaidosos porque suas igrejas viraram arranha-céus da fé. Refratários a críticas. Acham que o seu jeito é o jeito certo, pois, afinal, suas igrejas estão cheias e são enormes e se esquecem de que há quem muito foi dado muito será cobrado. Organizam eventos faraônicos. Compram canais de TV. E quando menos se espera deixarm de se preocupar com oração, jejum e vigílias para se devotar a empréstimos em bancos, assinaturas de documentos e negociatas com políticos.
Começa então a prostituição. O desejo por ter sempre mais leva muitos dos líderes desses palácios eclesiásticos a buscar qualquer forma de associação que lhes permita ganhar mais e mais. Associam-se ao poder político. Entram na maçonaria. Assinam contratos com gravadoras seculares. Fecham acordos com emissoras de TV pagãs. Quando nos damos conta, o monstro está tão grande que se torna uma besta descontrolada - e lá no meio, perdido em algum canto obscuro, empoeirado e esquecido, fica um tal de Jesus de Nazaré, olhando em volta e tentando dizer "ei... alguém aí se lembra de mim?". É por isso que acredito piamente que Deus não está nem aí para esse tipo de igreja. Que Deus ignora megaestruturas. Ignora megaeventos. Há mesquitas muçulmanas enormes. Templos budistas palacianos. Centros de umbanda que ocupam quarteirões inteiros. Grande coisa. Para o Senhor, pés-direitos altos são irrelevantes. Grandes torres, muitos bancos, milhões de decibéis de uma aparelhagem de som importada... Tudo lixo no Reino de Deus. E imagino Jesus se perguntando "pra que isso tudo mesmo"? Ah sim, tem a questão da vaidade... Nem toda megaigreja vira uma fria mansão vazia de espiritualidade. Nem todo líder de um palácio da fé se corrompe. Mas a experiência mostra que isso só acontece com poucos. Pois o ser humano se impressiona com tamanhos e grandes números. Isso é inegável. E tamanhos e números são um convite à vaidade. E a vaidade é o caminho mais curto para a ruína de uma alma. Igrejas não precisam ser cheias. Precisam ser Igreja. Cristo não precisa de um megaevento por ano em palcos suntuosos, mas de pequenos cultos semanais em igrejinhas onde haja corações derramados. Os poucos membros têm de ser fieis. Têm de cumprir o que na raiz significa "Igreja": ser Eclésia, os chamados para fora do mundo, do pecado, de uma vida de vaidades, orgulho, arrogância e outros pecados fáceis de converter corações puros em soberbos. Jesus quer pessoas bem discipuladas, Ele disse isso em Mt 28.19, quando falou "vão e façam discípulos". E você acha que Ele estava se referindo a quê? Jesus não disse "vão e encham igrejas", ou "vão e criem monstros da fé que se achem acima do bem e do mal". Jesus quer igrejas com homens e mulheres de Deus que entregariam seus peitos à espada e os pescoços aos leões alegremente para não negar Cristo. Só. Pois esse ato já diria tudo. Paz a todos vocês que estão em Cristo. Blog APENAS by Maurício Zágari is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 2.5 Brasil License.

Reações:

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2012 - Uma mensagem de esperança